sexta-feira, 21 de abril de 2017

Segredo.21.17


25 comentários:

  1. Não sou mãe, nem sou melhor que ninguém para julgar. Não acredito que sejas má mãe se cuidas dele e lhe dás amor, só porque não sentes o amor incondicional que outros dizem sentir. Para algumas pessoas demora mais a sentir esse tal amor. Muitas mães dizem que foi algo gradual, que se foi apoderando delas e crescendo com o tempo e não aquela coisa imediata que a maioria profetiza. Cada pessoa é uma pessoa.

    Para te sentires melhor e conversares mais seriamente sobre isso e perceberes quais os motivos pelos quais podes não sentir esse amor, talvez seja mesmo melhor procurares ajuda psicológica. Não digo que tens que ir ao psicólogo porque não amas o teu filho incondicionalmente, não creio que isso seja motivo para procurar ajuda psicológica, mas pelo facto de isso te incomodar.

    Acima de tudo, faz tudo o que tens que fazer pelo teu filho, pelo seu bem-estar, cuida dele, sem julgamentos a ti mesma!

    ResponderEliminar
  2. sim, um psicólogo é indicado...
    para te explicar que não existe amor incondicional nem fórmulas ou manuais para como é suposto amar...
    e, já agora, como vai o amor pelo pai da criancinha?

    ResponderEliminar
  3. Quando a minha filha nasceu, ate aos seus 3/4 meses tambem nao sentia esse tal amor incondicional... nao sei quantos anos tem o seu filho mas tenho a certeza q esse seu sentimento vai mudar.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo plenamente. O amor cresce todos os dias. E não é logo uma coisa imediata:)

      Eliminar
    2. Concordo, a minha experiencial foi igual. O amor cresceu de dia para dia até se tornar incondicional, levou anos...Não te massacres. Aquilo que a sociedade exige não significa que seja/esteja correto.

      Eliminar
  4. Provavelmente a génese do problema está na forma como foste criada. Quem não recebe amor, não tem amor para dar.

    NM

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não diga disparates, vá.

      Eliminar
    2. Não vejo onde está o disparate..pode muito bem ser a causa.

      Eliminar
    3. Tive pais alcoólicos..nunca me senti amada. Hoje adulta, tenho dificuldade em relacionar-me. Não penso, nem quero ser mãe, porque tenho medo de não conseguir dar-lhe o principal, Amor.
      Mariana

      Eliminar
    4. Não é disparate nenhum, concordo com o que foi dito, claro que há exceções mas a maioria faz jantar filhos o que os pais fizeram com eles, até mesmo no amor. Quem não o recebeu,aquele amor, aquele carinho pode não o ter para dar aos seus filhos

      Eliminar
    5. Bem me parecia que não tinha dito disparate algum.

      NM

      Eliminar
    6. Se não se sentiu amada, mais uma razão para olhar para si mesma e amar-se a si própria primeiro, ou é assim tão estapafúrdia a ideia de conseguir amar sem o ter sido antes? É algum requisito? Enfim...Metem essas coisas na cabeça e criam barreiras a vocês próprios.

      Eliminar
  5. Nem uma coisa, nem outra.
    Embora aconselhe sempre uma ida ao psi, mal não deve fazer.

    O que se passa é que a pessoa que mais ama é você mesma.

    ResponderEliminar
  6. Aconselho a ires a um psicólogo ou médico. Poderás estar a sofrer de depressão pós parto. Não sou mãe, nem sei o que é amar um filho. Mas se achas que algo não está bem, pode ser sinal de algo mais.

    ResponderEliminar
  7. E parar de achar que o amor é mesuravel?
    O amor não se mede... não é comparavel. Parem com essa moda.
    O amor por alguém, filho, marido, pai, etc, não se mede nem se compara!

    ResponderEliminar
  8. Acho que o facto de estares preocupada com isso, demonstra o amor que tens pelo teu filho. Pode não ser esse "amor incondicional" que estavas à espera, mas talvez o sintas mais do que pensas

    ResponderEliminar
  9. Pode ser algo normal e que não prejudique a criança ou não. Depende de muita coisa e pelo segredo não se percebe portanto acredito que o ideal será mesmo procurar um bom psiquiatra ou psicólogo para perceber o que está a acontecer.

    Uma coisa é não sentir nada pelo seu filho, ser-lhe indiferente que chore, grite, tenha dores ou não. Uma coisa é assegurar o bem-estar dele (e aqui não é só dar comida, trocar fralda) mas sim dar amor e muito carinho, outra diferente é não o fazer, não sentir vontade de o fazer, etc.

    Não percebo muito bem a questão do amor incondicional. Não sente que o ama? Sente que é capaz de o abandonar e que ele não lhe faria falta nenhuma se morresse ou alguém o levasse, por exemplo? Ou sente amor por ele, gosta dele mas simplesmente não sente aquilo que acredita que devia sentir (isto do "devia" tem muito que se lhe diga).

    Como foi dito pode ser a coisa mais normal do mundo e simplesmente não ser aquilo que pensava que tinha de ser, pode ser derivado de uma depressão pós-parto ou pode até ser incapaz de amar os outros...mas não dá para saber nada disso através das 2 frases que escreveu.

    ResponderEliminar
  10. Não há psicólogo neste mundo que ensine uma pessoa a amar alguém...

    ResponderEliminar
  11. Pare de ouvir as mães histéricas sobre amor incondicional e os julgamentos desta sociedade e vai compreender que é totalmente normal o que sente.
    Desde que ame a criança e lhe dê tudo o que precisa, tudo o resto pouco importa. O amor não se mede, e quem precisa de ir a um psicologo são todos e todas aquelas/es que dizem que um amor pode ser incondicional ou de qualquer outra forma

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se em vez de pensar que a sua verdade é a única se calhar percebia que é realmente possível amar um filho de forma incondicional desde o momento que nasce. Se não sente isso a culpa não é sua, nem da autora mas não implica que seja igual para todos.
      Por isso é que há pais que fariam tudo para ver os filhos bem e são muito pouco autocentrados, até deixam a própria vida para cuidar dos filhos acamados e outros são capazes de os matar à facada ou à paulada. Ser pai não significa por si só que se ame ou tenha qualquer vínculo afetivo com a criança.

      Um pouco mais de conhecimentos e menos de arrogância era capaz de lhe fazer bem.

      Eliminar
  12. Tem calma..... podes estar ainda numa fase de aceitação da criança! Não desesperes já! quanto mais tempo passares com ele/ela.. mais próxima irás estar, mais sentimento irás ter.... keep going! :)

    ResponderEliminar
  13. A minha sentiu isso de certeza. Entretanto passaram 23 anos e nada mudou.

    ResponderEliminar
  14. Eu sou mãe. Esta questão foi algo que me surpreendeu quando o meu filho nasceu. Felizmente, apesar das dificuldades que vêm com o nascimento de um filho estava emocionalmente estável e isto não me afectou. Mas vou dizer-te o que aprendi:
    1 - Cada mãe vive a maternidade de uma forma. É bom procurar a experiência de quem já passou ou está a passar pelo mesmo. Mas depois disso é bom saber que a nossa própria experiência pode ser totalmente diferente e que está tudo bem. Somos únicos tal como o nosso bebé e está tudo bem.
    2 - Só porque os nossos amigos familiares e os meios de comunicação nos mostram uma imagem idílica daquilo que deveria ser a maternidade, isso não quer dizer que vá ser assim. Há mães que adoram amamentar outras que passam muitas dificuldades. Há mães que dizem que foram invadidas por um amor incondicional no momento do parto e outras que dizem que isso cresceu com o tempo.
    3 - Há um limite entre o que é normal e o que não é. Podemos simplesmente estar a viver a maternidade há nossa maneira ou podemos estar numa depressão pós parto. Se tens dúvidas em relação ao ponto onde te encontras, procura ajuda profissional. À partida, no teu centro de saúde saberão ajudar-te. Se não souberem, procura ajuda noutro local.

    Só para terminar digo-te que também não senti esse amor logo nos primeiros tempos. Sentia apenas uma certa estranheza por saber que aquele ser era minha responsabilidade e que a minha vida tinha mudado para sempre. Com o tempo aprendi a amá-lo. Não te sei dizer quando comecei a conhecer este amor que agora sinto. Lembro-me de ele me sorrir quando tinha cerca de 2 meses e de isso ter despertado algo em mim. E lembro-me que estava ansiosa para o colocar na creche aos 4 meses e meio mas de vir de lá lavada em lágrimas. Olhando bem agora, penso que já o amava desta forma na altura mas que as dificuldades que estava a passar me impediam de o ver. Espero que te tenha ajudado. Se precisares de falar com alguém livre de julgamentos responde a este comentário e eu envio o meu email para o shiuuu.

    ResponderEliminar
  15. Há mais vida para além dos filhos.

    ResponderEliminar
  16. O amos incondicional foi uma criação da sociedade...pesquise. ;) Muita smães pensam que amam os filhos incondicionalmente mas afinal são extremamente obcecadas por eles.

    ResponderEliminar